sexta-feira, 8 de julho de 2016

VEJO VOCÊ

Da janela do meu ônibus vejo você. ..
Vejo-te zumbis,

Atormentados pelo vício.


Vejo o seu medo exaurir sua esperança,

Seu amor e compaixão.

Pelas ruas vejo seu medo explodir. ..

Surtos e violência.


Da janela também vejo o meu coração endurecer

E se preparar para o eterno anoitecer que instalou-se na alma humana.


Rosana Rodrigues

quarta-feira, 8 de junho de 2016

AMIZADE



Amizade,

Encontrada em pequenos momentos de companheirismo.

Momentos pequenos e singelos,

Que de tão singelos não perdem a grandiosidade.

Amizade,

Objeto de desejo de quem o coração te escolheu,

Que de tão especial tornou se fraternal ,

Quase irmãos.

Amizade,

Fruto de um amor iniqualável e imensurável ,

que meu singelo e sentimental coração reconheceu em meu objeto de amizade : você!



(Poema em homenagem ao meu amigo Higor Linhares)

terça-feira, 13 de outubro de 2015

DEVANEIOS

Em meio ao caos da cidade
Acometem - me pensamentos da idade
Quando eu não mais existir,
O que restará?
Como será o mundo sem mim?
Filhos queridos,
Saudades.

Pessoas indo e vindo, Saudades.
Mãe sem filho,
Amor que ficou
Entre lamurias e saudades,
Amor.


E o mundo recomeça,
Em meio ao caos da cidade.
E, em meio ao caos,
O amor e a saudade permanecem.


Rosana Rodrigues

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

LIBERDADE




Fotografei primeiro a janela. ..

de onde eu via escada em meio as árvores. ..

visão da subida da liberdade.


Fotografei o reflexo do sol no chão. ..

alusão ao caminho da porta da saída de tudo que me prende, que asfixia.


Não Fotografei o meu interior. ..

que se une ilusoriamente à liberdade,

ao sol e a alegria de ser autor e protagonista da própria vida.


Rosana Rodrigues

domingo, 2 de novembro de 2014

Blog de cara nova!

Bom dia seguidores!
Agora você pode continuar acompanhando as postagens do meu Blog: Rosana Rodrigues, também na página do FACEBOOK: https://www.facebook.com/variasformasdomeueu.
Aguardo todos vocês por lá!
Rosana Rodrigues

sábado, 28 de setembro de 2013

Retratos de uma vida/ Parte II

Em algum canto escuro de sua mente, fracassos e incertezas , teimam em tirar sua alegria em reduzir sua visão florida da vida.Surtos de medo e tristeza permeiam sua alma.Talvez a falta do sol tenha deixado os seus dias gris, talvez  a ansiedade de uma felicidade inalcançada, talvez a fortaleza que ela se tornou a fez frágil...talvez , nada disso faça sentido, nem sua própria vida...a incerteza do sentido assola seus dias.
Acalme-se!Tome as rédeas da sua vida!Livre-se das pressões de grupo , das cobranças da vida adulta!
Cante, dance!Permita o inesperado, passeie pelo incerto e encontre a liberdade de fazer seu próprio caminho. Deixe a vida seguir o seu curso.
Todos os conselhos  para ela, são apenas conselhos. A verdade é que sua mente já não mais a obedece e seu corpo prepara-se com reações jamais esperadas para ações inexistentes. A fortaleza se fez frágil e a beleza de seus sentimentos já não são mais suficientes para mantê-la na vida selvagem que é a sociedade.
O inverno se instalou em sua primavera e somente o calor do verão pode reinstalar a paz e a mansidão em seu coração.
Rosana Rodrigues

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Retratos de uma vida / Parte I

Ela está fazendo uma longa jornada e chegou em um ponto onde precisa se decidir que caminho seguir. Sua vida foi marcada por tantos acontecimentos que seu maior objetivo se perdeu pelo caminho.
Hoje ela tenta retomar,retornar, mas já não pode mais ter 20 ou 30 anos e as oportunidades que ela julgou mais importantes e decisivas na sua vida, também passaram. Agora ela tenta encontrar o seu verdadeiro lugar no mundo, e de vez em quando folheia seu diário pra se lembrar de sua essência que ficou derramada ao longo desses anos.
Remete-se sempre aos amores não vividos, aos amores vividos e a tudo que fez -se fracasso ou êxito. Arrepende-se. Orgulha-se. Um misto das marcas que a vida lhe permitiu possuir. Lembra-se da sua inocência perdida, e de todos os planos e projetos que não realizou e agora, com quase quarenta, faz um flashback de quase quatro décadas.
Lembra-se do grande amor de sua vida, que na verdade não foi o único, do filho que não teve , do fracasso dos seus relacionamentos, mas recorda-se também de todos os amigos que fez e de todos que ficaram, dos amigos que fez e que não ficaram,  das conquistas, das partidas, das viagens, das idas e vindas e de amor e desamor que não cabem em seu peito.
E agora, ela está por aí, dentro de mim, de você , de nós, tentando acomodar-se ao mundo dos adultos revendo seus conceitos, traçando novas metas e objetivos, mas sem nunca esquecer de onde veio e para que veio.

Rosana Rodrigues





*(Acompanhe essa e outras publicações, elas se completam.)