quarta-feira, 25 de maio de 2011

Partes musicais de uma vida



Ando por aí querendo te encontrar
Em cada esquina paro em cada olhar
Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
Que o nosso amor pra sempre viva
Minha dádiva
Quero poder jurar que essa paixão jamais será
Palavras apenas
Palavras pequenas
Palavras
Essa não é mais uma carta de amor
São pensamentos soltos traduzidos em palavras
Pra que você possa entender
O que eu também não entendo 

Agora o que vamos fazer, eu também não sei
Afinal, será que amar é mesmo tudo?
Se isso não é amor, o que mais pode ser?
Estou aprendendo também





Não demora agora
Há tanto pra gente conversar
Eu desejo e vejo, a rua você atravessar
E os teus passos largos já não me incomodam
Não te acompanho mais, caminho do meu modo
Teus olhos turvos, pouco sinceros
Não me atormentam quanto mais eu enxergo
Eu e você, podia ser
Mas o vento mudou a direção
Eu e você e essa canção
Pra dizer adeus ao nosso, ao nosso coração
Tudo passa e eu ainda ando pensando em você
Tudo passa e eu ainda ando pensando em você

Penso quando você partiu
Assim... sem olhar pra trás
Como um navio que vai ao longe
E já nem se lembra do cais
Os carros na minha frente vão indo
E eu nunca sei pra onde
Será que é lá que você se esconde?

A idade aponta na falha dos cabelos
Outro mês aponta na folha do calendário
As senhoras vão trocando o vestuário
As meninas viram a página do diário

O tempo faz tudo valer a pena
E nem o erro é desperdício
Tudo cresce e o início
Deixa de ser início
E vai chegando ao meio
Aí começo a pensar que nada tem fim...



(Memórias de uma vida em música)
Rosana  Rodrigues

Sistema Tributário Injusto


 Para início de conversa vemos que no quesito ERRADICAR A POBREZA E A MARGINALIZAÇÂO, ainda temos muito para pedir a DEUS e a esperar dos GOVERNANTES. No último governo, bastante até se foi feito, mas não foi o suficiente. Levando-se em conta então o quadro de impostos pagos pela maioria da população pobre isso está longe de acontecer. Como podemos erradicar a pobreza se a maior parte da riqueza desta população é gasta com artigos de primeira necessidade e é exatamente sobre tais artigos que tributam o ICMS, imposto esse que VARIA  CONFORME A CADA REGIÃO DO PAÌS E DE  ACORDO COM A NATUREZA DO PRODUTO?Não tem salário mínimo que chegue.
 Em contrapartida há um pai e uma mãe de família que precisa alimentar seu filhos e é atormentado(a) pela incapacidade do seu salário perante as necessidades da vida humana. E como se isso só não bastasse, ainda tem precariedade dos hospitais públicos que os mesmos financiam com impostos altos, há a educação muitas vezes precárias por conta de políticas públicas irresponsáveis e há ainda a falta de segurança para criar seus filhos e fazer o caminho de ida e volta ao trabalho. O que será desses filhos? Serão cidadãos despreparados para a competividade da vida em sociedade, tanto biologicamente falando quanto intelectualmente falando e são eles que terão que fazer o mesmo caminho para criarem seus filhos, mas veja bem, eles estão despreparados: ENCONTRAM A REDENÇÂO NA MARGINALIDADE. Cabe então uma pergunta:ELES PODEM TRABALHAR ASSIM COMO SEUS PAIS FIZERAM, NÃO PODEM?Sim, podem. Mas cadê a oportunidade de trabalho que não está sendo gerada por falta de estímulo de carga tributária, não há interesse em produzir emprego quando o custo é alto. E então, de nada serviu pagar tantos impostos. Não houve retorno para essa família brasileira e todos os membros dela viveram num círculo vicioso de pobreza e marginalização.
 A IGUALDADE SOCIAL E REGIONAL traça um longo caminho em direção à carga TRIBUTÀRIA do país, senão há igualdade em tal, não há IGUALDADE ALGUMA.
É verdade também que falta conhecimento da população quanto à tributos e o uso do mesmo em prol da sociedade, pensando nisso, ontem eu estava em sala de aula e um aluno levantou a discussão sobre a professora AMANDA GURGEL e em consequência sobre educação e políticas públicas (da maneira dele , é claro!), então vi a oportunidade de falar de carga tributária, de financiamento da educação e sempre primando em dizer que nada do que eles recebem na escola e da escola deixa de ser obrigação do governo, pois todos pagam por tudo: pela merenda que consomem, pelo ar condicionado nas salas, pelo lap top que recebem como premiação, pelos professores e fui mais além, se forem bem interessados pelos seu direitos e deveres de cidadãos verão que tudo aquilo ainda é pouco pelo tanto que se paga.Com isso pensei...estou fazendo a minha parte quanto a esclarecimento de jovens futuros adultos sobre sua posição na sociedade e é assim que deve ser a escola, porta de expansão de cidadania e conhecimento. Toda vez que entro em sala , reservo um tempo para debates sobre cidadania e sociedade, mas sou um grãozinho apenas. Acredito que a iniciativa de se fazer um programa de EDUCAÇÂO FISCAL foi no mínimo interessante, pois capacitando multiplicadores a consciência fiscal pode ser disseminada entre todos os âmbitos da sociedade.
Rosana Rodrigues

domingo, 1 de maio de 2011


RELAÇÃO ESTADO SOCIEDADE


(RESPOSTA DE UM FÓRUM AVALIATIVO DO CURSO DE  EDUCAÇÃO FISCAL QUE PARTICIPO. VALE À PENA DISSEMINAR!)

  Ao meu ver, o Estado detém formas de subsidiar práticas que levem ao enfrentamento de problemas sociais desde que os recursos gerados pela sociedade sejam usados exatamente para os fins devidos. Que o estado faça uma política realmente de enfrentamento e não de mascaração  e ainda que as políticas sociais e economicas sejam vistas como "longo prazo" e não como "curto prazo", visto que cada governo faz o que bem quer na sua gestão sem respeitar os louros do antigo.Isso também se chama comprometimento com o cidadão (HOJE JÁ EXISTE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL QUE RESOLVE PARTE DO PROBLEMA).
   O enfrentamento de problemas sociais começam e perpassam sempre pela EDUCAÇÃO, SAÚDE, HABITAÇÃO e SEGURANÇA, pilares de uma vida humana digna. Essas são prioridades que devem ser cobradas pela sociedade dos GOVERNANTES que a mesma elegeu. E como fazer isso? Exercendo seu direito de voto, observando a aplicação dos recursos financeiros em sua CIDADE,ESTADO e PAÍS, acompanhado e opinando sobre decisões políticas que vão influenciar na vida social de cada cidadão, cobrando seus DIREITOS e CUMPRINDO COM OS SEUS DEVERES e o principal: PENSANDO E AGINDO NO COLETIVO como prega MORIN.
 (EXISTEM CURSOS DE EDUCAÇÃO FISCAL NO SITE DO MINISTÉRIO DA FAZENDA PARA CONSCIENTIZAÇÃO DO CIDADÃO, VOU DEIXAR O LINK.)



Rosana Rodrigues